Covid19

Listagem de síndromes clínicas associadas à Covid-19

DRG Brasil
Postado em 23 de abril de 2020

Ouça o podcast: Dr. Renato Couto descreve as síndromes clínicas comumente associadas à infecção pelo SARS-CoV-2:

Doença branda         

  • Quadro compatível com infecção de vias aéreas superiores, sem sinais de desidratação, dispneia, sepse ou disfunção de órgãos.
  • Os sinais e os sintomas mais comuns são: febre, tosse, dor na garganta, congestão nasal, cefaleia, mal-estar e mialgia.
  • Imunossuprimidos, idosos e crianças podem apresentar quadro atípico e não apresentar sinais de desidratação, febre ou dificuldade para respirar.
  • Em gestantes, devido adaptações fisiológicas ou eventos adversos na gravidez, dispneia, febre, sintomas gastrointestinais ou fadiga podem se sobrepor aos sintomas da COVID-19.

Pneumonia sem complicações       

  • Infecção adulto do trato respiratório inferior sem sinais de gravidade.
  • Criança sem sinais de pneumonia grave com tosse ou dificuldade para respirar + respiração rápida. Valores de referência de frequência respiratória de acordo com a faixa etária:
  • 1 a 12 meses: 30 a 53 irpm
  • 1 a 2 anos: 22 a 37 irpm
  • 3 a 5 anos: 20 a 28 irpm
  • Escolar: 18 a 25 irpm
  • Adolescente: 12 a 20 irpm

Pneumonia grave    

  • Adolescente ou adulto: infecção do trato respiratório inferior com algum dos seguintes sinais de gravidade:
  • Frequência respiratória > 30 irpm;
  • Esforço respiratório grave;
  • Spo2 < 93% em ar ambiente;
  • Cianose;
  • Disfunção orgânica.
  • Crianças com tosse ou dificuldade para respirar, mais pelo menos um dos critérios:
  • Cianose central ou SpO2 <90%;
  • Esforço respiratório grave;
  • Sinais de PNM com aspectos de gravidade (uso de musculatura acessória para respiração;
  • Incapacidade ou recusa de se amamentar ou ingerir líquidos;
  • Sibilância ou estridor em repouso;
  • Vômitos incoercíveis;
  • Alteração do sensório: irritabilidade ou sonolência; convulsões).
  • A frequência respiratória que denota gravidade em crianças dependerá da idade, a saber:
  • <2meses: ≥60irpm
  • 2 a 11 meses: ≥50irpm
  • 1 a 5 anos: ≥40 irpm

O diagnóstico é clínico. Imagens torácicas podem identificar ou excluir complicações.

Síndrome da angústia respiratória aguda (Sara)

Início ou agravamento dos sintomas respiratórios, até uma semana do aparecimento da doença. Pode ainda apresentar:

  • Alterações radiológicas (infiltrados, opacidades bilaterais, atelectasia lobar/pulmonar ou nódulos);
  • Edema pulmonar não explicado por insuficiência cardíaca ou hiper-hidratação.
  • Comprometimento da oxigenação em adultos e crianças:
  • Adultos:
  • Sara leve: 200 mmHg < PaO2/FiO2 ≤ 300 mmHg (com PEEP ou CPAP ≥ 5 cm H2O, ou não ventilado).
  • Sara moderada: 100 mmHg < PaO2/FiO2 ≤ 200 mmHg (com PEEP ≥ 5 cm H2O, ou não ventilado).
  • Sara grave: PaO2/FiO2 ≤ 100 mmHg (com PEEP ≥ 5 cm H2O, ou não ventilado).
  • Quando a PaO2 não está disponível, a SpO2/FiO2 ≤ 315 sugere Sara (inclusive em pacientes não ventilados).
  • Crianças: OI = Índice de Oxigenação e OSI = Índice de Oxigenação utilizando SpO2.
  • Use a métrica baseada no PaO2, quando disponível. Caso o PaO2 não esteja disponível, desmame a FiO2 para manter a SpO2 ≤ 97% para calcular o OSI ou a relação SpO2/FiO2:
  • Ventilação não invasiva ou CPAP bi nível ≥ 5 cm H2O através de máscara facial completa: PaO2/FiO2 ≤ 300 mmHg ou SpO2/FiO2 ≤ 264.
  • Sara leve (com ventilação invasiva): 4 ≤ OI < 8 ou 5 ≤ OSI < 7,5.
  • Sara moderada (com ventilação invasiva): 8 ≤ OI < 16 ou 7,5 ≤ OSI < 12,3.
  • Sara grave (com ventilação invasiva): OI ≥ 16 ou OSI ≥ 12,3.

Sepse

Síndrome da resposta inflamatória sistêmica com disfunção orgânica na presença de infecção presumida ou confirmada.

São sinais frequentes de disfunção orgânica: alteração do nível de consciência, oligúria, taquipneia e/ou dispneia, baixa saturação de oxigênio, taquicardia, pulso débil, extremidades frias, coagulopatia, trombocitopenia, acidose, elevação do lactato sérico ou da bilirrubina.

Choque séptico        

Sepse acompanhada de hipotensão [pressão arterial média (PAM) < 65 mmHg] a despeito de ressuscitação volêmica adequada e requerendo o uso de vasopressores para manter PAM>=65 mmHg.

  • Crianças:

Qualquer tipo de hipotensão (SBP 2 DP abaixo do normal para a idade) ou dois ou três dos seguintes: estado mental alterado;

  • Taquicardia ou bradicardia (FC 160 bpm em menores de 12 meses e FC 150 bpm em crianças);
  • Preenchimento capilar prolongado (>2 segundos) ou pulso fraco;
  • Taquipneia;
  • Pele manchada ou fria ou erupção petequial ou purpúrica;
  • Aumento do lactato;
  • Oligúria;
  • Hipertermia ou hipotermia.

Acesse mais podcasts sobre #Covid-19 no canal do Grupo IAG Saúde no Spotify:

Posts Relacionados

Estudo comprova eficiência de sistema de saúde baseado em valor

Covid19
4 de fevereiro de 2022
leia agora

Estudo do SUS de MG, em parceria com a UFMG, analisa eventos adversos pós-vacinação contra COVID-19 e recomenda: confiem nas vacinas!

Covid19
24 de setembro de 2021
leia agora

Fábio Gastal avalia o enfrentamento da Covid-19 pelo sistema de saúde brasileiro

Covid19
24 de agosto de 2021
leia agora

(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital