Modelo Assistencial

Governança clínica: como efetivá-la nas organizações de saúde brasileiras?

DRG Brasil
Postado em 10 de julho de 2020 - Atualizado em 5 de outubro de 2020

No sistema de saúde, a governança clínica é fundamental. Por meio dela, é aplicado um modelo de gestão hospitalar e clínica focado na qualidade do atendimento ao paciente. Além disso, ela prevê a adoção de elevados padrões de assistência à saúde, de acordo com as melhores práticas nacionais e internacionais do mercado.

O surgimento desse conceito ocorreu no Reino Unido, a partir das mudanças realizadas no National Health System (NHS), o sistema de saúde britânico. De acordo com a instituição, a governança clínica representa um modelo de melhoria contínua da qualidade dos serviços e manutenção da excelência no atendimento ao paciente.

A questão que fica é: como aplicá-la na gestão da saúde para a efetiva entrega de valor? É o que explicaremos neste conteúdo, a partir de seu conceito, importância e pilares, além de apresentar como a plataforma DRG Brasil auxilia no processo. Continue lendo!

O que é governança clínica?

O termo governança clínica se refere a uma estratégia voltada para a melhoria contínua dos serviços de saúde. Quando foi citado pela primeira vez, em 1997, estava relacionado à modernização das práticas de gestão. Atualmente, está diretamente ligado à geração do valor em saúde, a fim de que as incertezas diminuam e o processo decisório seja mais acertado.

Na época de sua criação, a proposta apresentada pelo NHS revolucionou o modelo de assistência em saúde, pois trouxe a decisão clínica para o ambiente gerencial e organizacional. Na prática, isso significou aumentar a qualidade dos cuidados e colocar o paciente e sua família no centro de seu tratamento.

Como resultado, foi identificado o comprometimento maior de profissionais da saúde, gestores, paciente e familiares. Ao mesmo tempo, o foco nos resultado ficou claro a partir da entrega do valor em saúde.

Qual a importância da governança clínica?

O NHS entende a governança clínica como um termo "guarda-chuva". Basicamente, ele abrange diferentes atividades — e todas elas focam a qualidade do serviço e a adoção de padrões de excelência no atendimento ao paciente. Assim, é possível entregar valor em saúde.

Basicamente, o conceito de valor em saúde se refere à relação entre os desfechos clínicos e o custo necessário para atingi-los. Com a inserção do paciente no centro dos cuidados, o resultado dessa conta é o melhor possível, porque são evitados desperdícios e é entregue um atendimento de qualidade.

Para alcançar esse objetivo, é necessário adotar uma estratégia que preveja o comprometimento de gestores e profissionais de saúde. Desse modo, é possível incentivar as equipes a prestar um atendimento de excelência, com o propósito de reduzir as falhas nas entregas assistenciais.

O que compõe a governança clínica?

A implantação desse conceito depende da aplicação de seus componentes principais. Veja quais são eles.

Efetividade e eficiência clínica

As decisões relacionadas ao tratamento do paciente devem ser baseadas em evidências e dados de qualidade. É importante seguir as recomendações de entidades de saúde reconhecidas, como a Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Gerenciamento de riscos

O objetivo é reduzir os riscos dos pacientes durante o tratamento. Para isso, é preciso investir nas seguintes boas práticas:

  • identificar o que pode dar errado e o que foi falho durante a assistência ao paciente;
  • entender os fatores que influenciam o tratamento;
  • aprender as lições obtidas com os eventos adversos;
  • adotar ações para prevenir a ocorrência de falhas;
  • utilizar sistemas que focam a redução dos riscos e a qualidade da assistência.

Auditoria clínica

A auditoria clínica foca a análise da qualidade dos serviços prestados por todos os profissionais de saúde. Por meio dela, é possível comparar a performance com um padrão preestabelecido e identificar oportunidades de melhoria.

A partir desse processo, são realizadas melhorias com novas auditorias subsequentes para ver se realmente houve aprimoramento. O acompanhamento pode ser feito a partir de um sistema de qualidade, que foque a gestão de saúde baseada em valor.

Melhoria contínua

A equipe de saúde deve aperfeiçoar seu trabalho de forma constante, tanto no quesito conhecimento quanto em habilidades. O ideal é ter um ambiente que valorize a melhoria contínua e forneça as oportunidades necessárias, inclusive com treinamento e desenvolvimento nas melhores práticas de assistência à saúde.

Envolvimento e experiência do paciente e sua família

O paciente deve estar no centro do atendimento de excelência. Para isso, é necessário estabelecer uma parceria com ele e também seus cuidadores. Os profissionais de saúde devem entender quais são as principais preocupações e prioridades, a fim de traçar um tratamento adequado. Essa é uma forma de garantir mais engajamento no tratamento.

Gerenciamento da equipe

O trabalho eficiente depende de uma equipe de alto nível e voltada para a máxima qualidade de atendimento. O próprio ambiente deve ser propício para essa finalidade. Para isso, os gestores devem incentivar o aperfeiçoamento profissional.

Como a governança clínica é trabalhada pela plataforma DRG Brasil?

O DRG Brasil é uma plataforma de governança clínica com o objetivo de entregar resultados assistenciais de qualidade e gerar valor. Para isso, o desperdício é controlado e há melhoria da experiência do cliente.

O grande benefício da plataforma é sua capacidade de transformar dados assistenciais e econômicos em informações. Assim, a entrega de valor pelo sistema de saúde aumenta, porque as tomadas de decisão são mais acertadas.

Como esse processo acontece? A plataforma DRG Brasil funciona com 4 etapas:

  1. coleta e integração dos dados de saúde e econômicos, a partir de educação continuada e suporte dedicado para a capacitação dos profissionais. Assim, são coletadas informações qualificadas por dispositivos móveis à beira do leito e por leitura de prontuário. Os números são inseridos nas informações econômicas para subsidiar as tomadas de decisão;
  2. transformação de dados em informações por meio da inteligência artificial do núcleo de inteligência DRG Brasil. Assim, são feitas previsões assistenciais e econômicas. Além disso, há o Grouper DRG Brasil, um algoritmo de previsão de custos que considera a complexidade e a criticidade clínicas. Os dados são alocados em uma categoria e são projetados os desfechos assistenciais para posterior comparação;
  3. análise e comparação de informações pelo ambiente de gestão Analytics DRG Brasil. Os gráficos e os painéis indicam aos gestores o melhor caminho a seguir e o que precisa melhorar no desempenho organizacional. Ainda são apresentados os aspectos com mais desperdícios e disfunção assistencial;
  4. governança clínica, ou seja, as ações para incentivar esse ciclo e aumentar a entrega de valor. É importante destacar que a plataforma DRG Brasil reúne o know-how metodológico com as tecnologias inovadoras. Com isso, há entrega de valor.

Assim, fica claro que os três primeiros passos são referentes ao levantamento de dados e à análise de informações. Por sua vez, o último é a efetivação da governança clínica, que é mais bem implementadas pela plataforma DRG Brasil com as nove práticas a seguir:

  1. planejamento estratégico em saúde: foca a entrega de valor por meio de resultados assistenciais mais controle do desperdício. Para isso, é preciso conhecer as características do sistema, as especificidades da população atendida e seus problemas de saúde;
  2. governança clínica baseada em valor: alinha os interesses de hospital, médico e operador do sistema de saúde para engajar as partes interessadas e entregar valor ao paciente e à família, sempre colocando-os no centro da assistência;
  3. eficiência hospitalar: é medida pela Inteligência Artificial, Algoritmo e Analytics para reduzir os custos e aumentar a qualidade assistencial;
  4. alta segura: é garantida pelas mesmas tecnologias anteriores, a fim de oferecer uma transição de cuidado seguro para pacientes clínicos e cirúrgicos;
  5. gestão de riscos 4P: estabelece o uso da tecnologia para engajar o paciente e integrar a família e a equipe multidisciplinar com o objetivo de conter os riscos e oferecer uma assistência mais eficaz. Tem como base a predição do risco genético do paciente a doenças, a prevenção de enfermidades, a personalização do atendimento e a participação do médico e do paciente nas medidas adotadas;
  6. Hospital Amigo do Idoso: está alinhado às diretrizes de envelhecimento da OMS e usa a tecnologia de Inteligência Artificial, Algoritmo e Analytics clínico-econômico para efetivar a governança clínica geriátrica e entregar valo ao público;
  7. Parto Seguro: trabalha a governança clínica obstétrica para que operadoras, hospitais e médicos entreguem valor à mãe e ao bebê. Segue os requisitos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e das Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal do Ministério da Saúde, e vai além;
  8. internações evitáveis na emergência: trabalha a linha de cuidado anestésico-cirúrgica para reduzir as internações com o cuidado primário. Assim, aumenta a segurança do paciente na transição de cuidados e a disponibilidade de leitos;
  9. ambulatorização cirúrgica: foca a linha de cuidado anestésico-cirúrgica para entregar valor e aumentar a disponibilidade de agenda do bloco.

Como fica claro, a efetivação de uma boa governança clínica depende de uma mudança de mindset, ou seja, uma alteração do foco na assistência em saúde. O objetivo é prestar o melhor atendimento possível, colocando o paciente como centro das ações.

Para viabilizar essa mudança, é importante contar com a plataforma DRG Brasil, que é desenvolvida especificamente para o sistema de saúde brasileiro e tem todos os recursos necessários para trabalhar a governança clínica com eficiência. O resultado é o aumento da qualidade e a redução do desperdício pela entrega de valor.

Achou interessante e quer conhecer mais sobre a plataforma de valor em saúde DRG Brasil? Acesse o site e entenda como a solução trabalha a qualidade da assistência em saúde.

Posts Relacionados

Regulação e auditoria em saúde: a importância para a entrega de valor na assistência

Modelo Assistencial
20 de maio de 2022
leia agora

Imprensa mineira destaca Parceria QualificaSUS para atendimento ao Valora Minas

Modelo Assistencial
19 de maio de 2022
leia agora

Figital: saiba como o modelo se aplica à área da saúde

Modelo Assistencial
19 de maio de 2022
leia agora

(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital