Modelo Assistencial

Conheça o IVSB e saiba por que vale a pena usar o Índice de Valor do Sistema de Saúde Brasileiro

DRG Brasil
Postado em 17 de fevereiro de 2020 - Atualizado em 5 de outubro de 2020

O modelo de pagamento no sistema de saúde brasileiro nem sempre é o mais justo para operadoras, prestadores e profissionais. O fee for service preza pela quantidade de procedimentos efetuados, mas nem sempre coloca em primeiro lugar a qualidade da assistência. É para corrigir essa distorção que existe o IVSB.

Índice de Valor do Sistema de Saúde Brasileiro foi criado pela plataforma DRG Brasil com foco na eficiência do serviço e nos resultados assistenciais comparados ao nível de desempenho considerado ideal. Assim, é possível gerar valor e evitar os desperdícios. Ao mesmo tempo, os dados são transformados em informação para melhoria da qualidade. A partir dessa mudança, o modelo assistencial e de remuneração é aperfeiçoado colocando a vida do paciente no centro da atenção de todo o sistema de saúde. 

Para entender melhor essa modificação do sistema de saúde brasileiro e saber como o DRG Brasil o efetiva em seu ecossistema, neste post explicamos a metodologia, o cálculo desse índice e sua importância. Acompanhe!

A metodologia utilizada pelo IVSB

Prêmio IVSB | Foto: Rodolfo Duarte/Divulgação Grupo IAG Saúde

O Índice de Valor do Sistema de Saúde Brasileiro visa a entregar um serviço de mais qualidade para o paciente. Por isso, ele é composto pela eficiência e pela qualidade assistencial. O IVSB é uma metodologia baseada em score, a pontuação vai de 0 a 100, sendo que a nota mais elevada indica que o resultado foi melhor ou igual ao estabelecido como referência.

A partir de sua mensuração, são identificadas oportunidades de melhoria e descobertos os índices de falhas de entrega da assistência, que geram desperdícios para o sistema de saúde. Para ter uma ideia, os autores Berwick e Hackbarth sinalizam que essas situações consomem 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos.

Caso as falhas de entrega da assistência sejam resolvidas em 50%, a economia para o sistema de saúde americano seria de 1 trilhão de dólares. Por sua vez, no Brasil, Couto et al. indicam que o desperdício com a insegurança assistencial hospitalar pode chegar a R$ 10,6 bilhões.

Os dados do Instituto de Estudos da Saúde Suplementar (IESS), porém, trazem um cenário ainda mais preocupante. Segundo a entidade, os desperdícios alcançaram R$ 27,8 bilhões em 2017, último ano analisado.

Esse total representa 19,1% do total de despesas assistenciais anuais das operadoras de saúde. Com isso, há aumento da sinistralidade e a tendência de oferecer uma experiência ruim para o paciente.

Nesse contexto, o IVSB surge como uma alternativa para mudar o cenário. O objetivo é aumentar a eficiência, aumentar a segurança assistencial, evitar as hospitalizações e reinternações preveniveis e diminuir a permanência dos pacientes internados por meio de boas práticas, por exemplo, ao reduzir a burocracia nas relações do hospital com o operador do sistema de saúde e usuários, a demora no relacionamento com a família do paciente.

Em outras palavras, ainda que existam situações de complexidade clínica que levam a um aumento das internações e da ineficiência, o que a plataforma DRG Brasil procura é impedir a ocorrência de situações fúteis, como atrasos de exames, demoras em autorizações, dificuldades para tomadas de decisão etc.

Ao resolver essas questões, o sistema de saúde se torna baseado em valor. Os benefícios são variados. Além de uma remuneração mais justa para profissionais e operadoras, o paciente ainda tem menos danos físicos e psicológicos. Ao mesmo tempo, há um acesso mais amplo da sociedade aos serviços prestados, que também são mais competitivos.

O cálculo do Índice de Valor do Sistema de Saúde Brasileiro

O IVSB é calculado a partir dos dados coletados pela plataforma DRG Brasil. O próprio sistema mensura e compara a entrega de valor de médicos e hospitais. O processo é feito a partir das características de saúde do paciente e possíveis complexidades e criticidades clínicas. O parâmetro são os referenciais nacionais.

Assim, a partir da coleta dos dados de saúde e econômicos, eles são integrados e transformados em informações. Isso acontece por meio do algoritmo de previsão de custos. Ele combina os dados de saúde do paciente e determina qual é a categoria adequada para complexidade e criticidade clínicas.

Em poucos segundos, apresenta quantos recursos são necessários ao tratamento dos pacientes alocados nessa categoria nos quesitos medicamentos, materiais e diárias. Ao mesmo tempo, a inteligência artificial embutida na plataforma projeta o resultado assistencial esperado. Depois, é possível comparar o que foi conseguido e avaliar o valor entregue ao paciente.

Aliás, a possibilidade de análise e comparação é o diferencial. Com esse recurso, diferentes painéis e gráficos são gerados e mostram o desempenho da organização. Com isso, você identifica os principais focos de disfunção assistencial e desperdício, a fim de direcionar as ações para reduzir esses gargalos.

Com essa avaliação, basta aplicar as medidas de governança clínica para aumentar a entrega de valor e efetivar o know-how metodológico do Índice de Valor do Sistema de Saúde do Brasil.

Para entender melhor como o cálculo funciona, imagine que você deseja analisar os resultados assistenciais da atenção primária. Nesse caso, a dimensão avaliada é a resolutividade da emergência. O cálculo é embasado na incidência de internações sensíveis à atenção primária.

Por outro lado, se pretende mensurar a eficiência no uso do leito hospitalar pelo sistema de saúde, precisará verificar as diárias ocorridas além das previstas pela plataforma. Portanto, ainda que o cálculo seja complexo, basta repassar as informações e aguardar o retorno da solução.

A importância desse indicador

A empresa que trabalha com o IVSB como base tem mais chance de oferecer um atendimento de qualidade. Em vez da preocupação ser focada no volume de procedimentos, esse indicador trabalha a performance dos prestadores para a entrega de valor ao paciente.

Por isso, o modelo prevê a assistência contínua para garantir a integração de processos e informações. Quando esse objetivo é alcançado, o sistema se torna:

  • equitativo, ou seja, não muda devido às características pessoais do paciente;
  • seguro;
  • eficaz, porque os serviços são prestados com base no conhecimento científico;
  • eficiente, já que são evitados desperdícios de todas as formas;
  • centralizado no paciente, com respeito às preferências, às necessidades e aos valores do indivíduo;
  • acessível, por reduzir os atrasos e as esperas.

Ao mesmo tempo, todo o sistema de saúde se torna mais transparente e o modelo remuneratório incentiva a entrega de valor. Em suma, pacientes, profissionais, hospitais e operadoras são beneficiados.

As propostas de ações para entregar valor ao paciente

Para o índice, o sistema de saúde só entrega valor se alinhar seu modelo assistencial e de remuneração oferecer atendimento contínuo e personalizado, com envolvimento de todas as partes interessadas. Por esse motivo, algumas prioridades para aumentar o IVSB são:

  • reduzir as internações por condições sensíveis à atenção primária;
  • diminuir as internações cirúrgicas ambulatorizáveis;
  • mitigar as reinternações pelo mesmo problema ou por condições adquiridas no hospital — já que essas situações representam 16,37% dos cursos com hospitalização no Brasil;
  • aumentar a segurança assistencial pela redução da ocorrência de condições adquiridas graves;
  • elevar a eficiência do uso do leitor hospitalar.

Os ganhadores do IVSB Líder 2019

Premiados IVSB | Foto: Rodolfo Duarte/Divulgação Grupo IAG Saúde

Para incentivar o uso do Índice de Valor do Sistema de Saúde Brasileiro e a adoção de práticas eficientes, o DRG Brasil criou o ISVB Líder, uma premiação que destaca as operadoras e os profissionais com os melhores resultados.

Dividida em categorias, vários foram os premiados. Em 2019, os ganhadores entre as operadoras de grande porte foram:

  • Unimed Belo Horizonte
  • Unimed Fortaleza
  • Unimed Goiânia

Na categoria Operadora de Médio Porte, os contemplados foram:

  • Unimed Volta Redonda
  • Unimed Costa Oeste
  • Unimed Uberlândia

Na categoria Hospital Geral, os premiados foram:

  • Uberlândia Medical Center
  • Hospital Regional Unimed Fortaleza
  • Hospital Ministro Costa Cavalcanti

Ainda foi destacado o Hospital Dia e Maternidade Unimed BH, na categoria Maternidade.

Como ficou claro, apenas as instituições de referência transformaram o cenário e adotaram o Índice de Valor do Sistema de Saúde Brasileiro. O IVSB ajuda a oferecer um atendimento mais eficiente e de qualidade, que reduz os desperdícios e se traduz em diminuição da sinistralidade e fidelização dos pacientes. Por isso, vale a pena adotar a plataforma da DRG Brasil para centralizar seus cuidados no paciente.

Quer conhecer melhor a metodologia e entender como sua instituição de saúde vai agregar valor ao paciente? Acesse o site do DRG Brasil e conheça mais sobre a mensuração de valor em saúde!

Posts Relacionados

Regulação e auditoria em saúde: a importância para a entrega de valor na assistência

Modelo Assistencial
20 de maio de 2022
leia agora

Imprensa mineira destaca Parceria QualificaSUS para atendimento ao Valora Minas

Modelo Assistencial
19 de maio de 2022
leia agora

Figital: saiba como o modelo se aplica à área da saúde

Modelo Assistencial
19 de maio de 2022
leia agora

(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital