Modelo Assistencial

ICSAPs: o que são e como geri-las?

DRG Brasil
Postado em 18 de julho de 2023 - Atualizado em 28 de setembro de 2023

As Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária (ICSAPs) são consideradas uma das mais importantes medidas da resolutividade da Atenção Primária à Saúde (APS). 

Espera-se que a APS seja estruturada para prevenir o agravamento clínico de condições crônicas ou de risco que demandam hospitalização do paciente. Afinal, um atendimento oportuno e adequado na atenção primária pode evitar a necessidade de internação. Saiba como gerenciar as ICSAPs.  

Quais são os três níveis de atenção à saúde?

Para entender mais sobre ICSAPs é essencial conhecer os três níveis de atenção à saúde e a finalidade de cada um deles.

Atenção Primária em Saúde - APS: 

A Atenção Primária (ou Atenção Básica) é o primeiro nível de atenção e principal porta de entrada no sistema de saúde. A maioria das necessidades em saúde da população devem ser abordadas e resolvidas neste nível.

São componentes da APS as equipes de Saúde da Família e as Unidades Básicas de Saúde, onde são prestados serviços nas áreas de Pediatria, Ginecologia, Clínica Geral, Enfermagem e Odontologia. 

No âmbito da saúde suplementar, os consultórios odontológicos e médicos das especialidades das áreas básicas também são considerados como componentes da APS.

O objetivo da APS é orientar sobre a prevenção de doenças, solucionar os possíveis casos de agravos e direcionar os mais graves para níveis de atendimento superiores em complexidade. 

Atenção Secundária em Saúde 

A atenção secundária é formada pelos serviços especializados em nível ambulatorial e hospitalar com densidade tecnológica intermediária entre a atenção primária e a terciária, historicamente interpretada como procedimentos de média complexidade. 

Estão neste nível os serviços médicos especializados, de apoio diagnóstico e terapêutico e atendimentos de urgência e emergência.

Atenção Terciária em Saúde 

Atenção terciária - ou alta complexidade - engloba o conjunto de terapias e procedimentos de elevada especialização que empregam tecnologias avançadas e que são geralmente realizados no ambiente hospitalar. 

Alguns hospitais recebem a classificação de “quaternários” quando realizam transplantes, por exemplo. Procedimentos ambulatoriais também podem ser classificados como terciários. 

Entre os procedimentos ambulatoriais de alta complexidade estão a terapia renal substitutiva, a quimioterapia, a radioterapia, a hemoterapia, a ressonância magnética e a medicina nuclear, além da cardiologia intervencionista, entre outros.

Em um sistema de saúde eficaz:

  • O Nível primário (atenção básica) deve resolver mais de 80% dos problemas de saúde
  • O Nível Secundário deve resolver cerca de 15% dos problemas de saúde
  • O Nível Terciário deve resolver cerca de 5% dos problemas de saúde

Ou seja, quanto maior a efetividade da APS, menor a demanda pelos serviços de níveis secundários e terciários. 

ICSAPS

O que são ICSAPs?

As Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária em Saúde, ou ICSAPs, também conhecidas como “internações evitáveis” ou “internações por condições que poderiam ser tratadas na atenção básica”, são as hospitalizações que poderiam ser prevenidas ou tratadas na atenção primária, evitando outras etapas hospitalares.

Segundo o Ministério da Saúde, algumas ICSAPs são:

  • Doenças preveníveis por imunização e condições sensíveis
  • Gastroenterites Infecciosas e complicações
  • Anemia
  • Deficiências Nutricionais
  • Infecções de ouvido, nariz e garganta
  • Pneumonias bacterianas
  • Asma
  • Doenças pulmonares
  • Hipertensão
  • Angina
  • Insuficiência Cardíaca
  • Doenças Cerebrovasculares
  • Diabetes mellitus
  • Epilepsias
  • Infecção no Rim e Trato Urinário
  • Infecção da pele e tecido subcutâneo
  • Doença Inflamatória órgãos pélvicos femininos
  • Úlcera gastrointestinal
  • Doenças relacionadas ao Pré-Natal e Parto

As ICSAPs atuam como métricas de desempenho, refletindo a capacidade do sistema de saúde em fornecer cuidados preventivos. Altas taxas de internações por condições sensíveis à atenção primária podem indicar sérios problemas de acesso ao sistema de saúde ou de seu desempenho. 

Esse excesso de hospitalizações representa um sinal de alerta, que pode acionar mecanismos de análise e busca de explicações para a sua ocorrência.

Ao reduzir o número de internações por condições que poderiam ser evitadas, é possível melhorar a eficiência do serviço, reduzir custos e direcionar recursos para as áreas mais necessitadas.

Com relação ao perfil epidemiológico brasileiro, pesquisas apontam que em 2040 o SUS enfrentará uma situação epidemiológica extremamente desafiadora, caracterizada pela sobreposição de diferentes doenças e agravos, com causas e determinantes variados. 

Isso demandará o fortalecimento do sistema por meio de um financiamento adequado e a implementação de modelos assistenciais adaptados a esse contexto. 

As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) terão um papel ainda mais significativo na morbimortalidade do país, resultando em um aumento substancial na demanda por serviços de média e alta complexidade.

Para lidar com essa realidade, é fundamental uma atuação mais efetiva da Atenção Primária à Saúde (APS), que deve ser ampliada e fortalecida. Políticas de prevenção e promoção da saúde devem ser implementadas para reduzir os fatores de risco associados às DCNT e aumentar o acesso ao diagnóstico precoce e ao tratamento adequado de diversas condições.

Isso contribuirá para a redução da inaceitável mortalidade prematura e diminuirá a pressão por tratamentos mais complexos.

Como prevenir as ICSAPs?

O processo de prevenção das ICSAPs envolve fortalecer a atenção primária e trazer uma abordagem mais ampla em relação aos cuidados com os pacientes. É essencial investir no primeiro nível de atendimento, com disponibilidade de profissionais qualificados e acesso aos serviços da instituição.

Além disso, os pacientes devem ter conhecimento sobre práticas preventivas, por meio de ações de promoção de saúde e campanhas que divulguem informações sobre essas doenças, para evitar, futuramente, internações referentes a esses quadros.

Ainda, é fundamental que a instituição tenha um cuidado especial com doenças crônicas, que, mesmo sendo parte das ICSAPs, dependem de um acompanhamento regular para reduzir as chances de complicações.

Como realizar a gestão das ICSAPs?

A tecnologia é uma grande aliada das instituições de saúde que desejam realizar a gestão das ICSAPs. Uma solução tecnológica que pode contribuir com essa gestão é a plataforma Valor Saúde Brasil by DRG Brasil + Inteligência Artificial. Para se ter uma ideia, a ferramenta:

  • Fornece um indicador de ICSAPs
  • Contribui para o estudo do perfil epidemiológico de cada ICSAP, ajudando na identificação dos fatores determinantes e guiando ações de melhoria
  • Dispõe de mecanismo de identificação de pacientes potencialmente elegíveis para os diferentes programas da APS, auxiliando o gestor de saúde na busca ativa da população-alvo
  • Diferencia os episódios de ICSAP com potencial de gerenciamento pelo setor de emergência do hospital (pacientes de baixa complexidade assistencial) daqueles de maior complexidade
  • Essa caracterização auxilia nas ações de integração dos processos pré-hospitalares com o hospital evitando a conversão para internação de casos clínicos de menor complexidade, resultando em menor sofrimento do paciente/família, otimizando a linha de cuidado com entrega de melhor experiência ao paciente, e reduzindo desperdícios
  • Possui um Analytics que mostra as condições sensíveis à atenção primária da lista estabelecida pelo Ministério da Saúde que geraram episódio de internação clínica na instituição, assim o gestor pode compreender a epidemiologia das ICSAPs mais prevalentes para estabelecer programas de melhoria e integração dos cuidados na Atenção Primária
  • Gera relatórios que mostram os pacientes internados portadores de alguma condição incluída na Lista Brasileira de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária, potencialmente elegíveis para participar de Programas da APS

Assim, o gestor consegue identificar se os pacientes admitidos por ICSAP já estão incluídos em algum dos Programas da APS realizando busca ativa ou interagindo com o paciente/família para iniciar o acolhimento no programa.

Veja como a Unimed Blumenau conseguiu reduzir as ICSAPs pelo serviço de emergência usando a plataforma Valor Saúde Brasil. Confira, também, as funcionalidades da plataforma.

Créditos/imagem:

Foto de capa: Antonio_Diaz by iStock

Foto do meio: gorodenkoff by iStock

Posts Relacionados

Operadoras de planos de saúde: um guia para a eficiência

Modelo Assistencial
18 de abril de 2024
leia agora

Hospital Nossa Senhora das Graças reduz permanência média em 1 dia com DRG Brasil

Modelo Assistencial
11 de abril de 2024
leia agora

Notificação de eventos adversos: um guia para hospitais

Modelo Assistencial
28 de março de 2024
leia agora
QMS Certification

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.


(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital