Covid19

Fábio Gastal avalia o enfrentamento da Covid-19 pelo sistema de saúde brasileiro

DRG Brasil
Postado em 24 de agosto de 2021

Em artigo publicado pelo ESTADÃO, o presidente do Conselho da ONA e executivo da Faculdade e da Seguros Unimed analisa os ensinamentos trazidos pela pandemia no Brasil e no mundo.

Por: Fábio Leite Gastal
Publicado em: ESTADÃO, 23 de agosto de 2021

Para Fábio Gastal, presidente do Conselho da ONA (Organização Nacional de Acreditação), coordenador científico da 2.ª Digital Journey by Hospitalar, diretor Acadêmico da Faculdade Unimed e superintendente de Novos Negócios da Seguros Unimed, o Brasil tinha tudo para servir de exemplo mundial na pandemia de Covid-19.

Exemplo positivo, de como lidar com uma crise de saúde sem precedentes, por meio de uma estrutura capilar, eficiente e organizada com grande capacidade de atendimento e vacinação – o que garantiria um baixo índice de mortalidade.

Porém, de acordo com Gastal, faltaram apoio político e liderança. E o Brasil entrou para a história com uma triste marca de mais de 550 mil mortos pela Covid-19.

O médico aponta que, se existem vencedores na guerra contra o novo Coronavírus, eles são:

  • o Sistema Único de Saúde (SUS),
  • o Sistema de Saúde Suplementar,
  • a rede de hospitais públicos e privados,
  • e as autoridades locais, como governadores e prefeitos.

Juntas, essas entidades enfrentaram corajosamente os abalos, a postura anticientífica das mais altas autoridades do País e a ausência de uma política clara de combate à crise sanitária.

Após o início da vacinação, quais são as lições aprendidas?

A pandemia esteja longe do fim, mas o presidente do Conselho da ONA consegue visualizar alguns ensinamentos dos momentos mais críticos, quando ainda não havia vacina para proteger a população.

Pesquisadores em todo o mundo já conseguem detectar evidências de que os hospitais acreditados – ou seja, que passaram por um processo de avaliação e certificação que busca, por meio de padrões e requisitos, promover a qualidade e a segurança da assistência – conseguiram lidar melhor com a situação.

É claro para estes pesquisadores que os hospitais com processos estruturados de gestão, qualidade, acreditação e certificação voltados para o aumento da segurança do paciente apresentaram melhores resultados assistenciais. Ou seja, estes hospitais estão mais habilitados para entregar valor em saúde, sobretudo em período de pandemia.

O vírus causou surpresa e demandou a criação de processos. E os processos já existentes, que estavam bem-organizados devido aos requisitos de qualidade, atenderam às necessidades mais prementes.

Sendo assim, os hospitais acreditados apresentaram os seguintes diferenciais:

→ Registraram menores taxas de complicações, sequelas e mortalidade não só em relação aos pacientes Covid, mas a pessoas acometidas por outras doenças;

→ Mostraram-se mais bem preparados para fazer frente ao excesso de demanda, porque contavam com uma das exigências da acreditação: o comitê de crise, que deve estar preparado para acompanhar a evolução dos casos, prontuários e óbitos.

“Se existem vencedores na guerra contra a covid-19 são o Sistema Único de Saúde (SUS), o Sistema de Saúde Suplementar, a rede de hospitais públicos e privados e as autoridades locais, como governadores e prefeitos.”

Fábio Leite Gastal, em artigo do ESTADÃO

trabalhadores-da-saúde

Vivendo com as consequências: podemos acreditar em um futuro melhor?

O diretor Acadêmico da Faculdade Unimed e superintendente de Novos Negócios da Seguros Unimed afirma que o Brasil vai figurar como um case de país que multiplicou em tempo recorde as unidades de terapia intensiva (UTIs) em tempo recorde, ampliando a capacidade de atendimento.

Os momentos de quase colapso da rede ocorreram entre fevereiro e março de 2021, quando houve filas nas clínicas, hospitais e prontos-socorros, mas ainda assim a rede não implodiu. O sistema de saúde brasileiro foi capaz de dar assistência e não deixar as pessoas fora do hospital.

Lamentavelmente, a sobrecarga, agravada por posicionamentos anticientíficos, resultaram em um irrompimento do número de óbitos.

Fábio Gastal Agora chama a atenção para um novo desafio: a disseminação da variante delta. Esta cepa, apesar de mais transmissível, tem provocado casos mais leves e menos mortes nos países desenvolvidos, onde grande parcela da população está vacinada com duas doses dos imunizantes.

No Brasil, menos de 40% da população está totalmente imunizada. É preciso intensificar a vacinação e manter as medidas de proteção individual, como: uso de máscara facial, aplicação de álcool em gel, lavagem de mãos e distanciamento social. “Se tudo correr bem, esta nova variante vai provocar um novo pico da doença, mas sem tantos casos graves e tantas mortes”, avalia.


  • Créditos:
  • Foto: Fábio Leite Gastal/DIVULGAÇÃO
  • Conteúdo: ESTADÃO - Blog Fausto Macedo
  • Imagem: Pessoas foto criado por rawpixel.com - br.freepik.com

Posts Relacionados

Estudo comprova eficiência de sistema de saúde baseado em valor

Covid19
4 de fevereiro de 2022
leia agora

Estudo do SUS de MG, em parceria com a UFMG, analisa eventos adversos pós-vacinação contra COVID-19 e recomenda: confiem nas vacinas!

Covid19
24 de setembro de 2021
leia agora

Dra. Tania Grillo fala sobre qualidade assistencial na Digital Journey by Hospitalar

Covid19
12 de agosto de 2021
leia agora

(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital