Modelo Assistencial

Taxa de mortalidade: como diminuir com a melhora nos processos assistenciais

DRG Brasil
Postado em 25 de abril de 2024

A taxa de mortalidade é uma métrica essencial no universo da saúde, revelando não apenas números, mas também a eficácia dos cuidados médicos prestados. Mas como podemos garantir que essa taxa diminua, refletindo uma melhoria nos processos assistenciais? 

Neste artigo, exploraremos como instituições como os hospitais Márcio Cunha e o Regional de São José dos Campos têm conseguido efetivamente reduzir essa taxa, destacando o papel crucial da tecnologia e da inovação nos cuidados de saúde. Venha conosco descobrir como é possível fazer a diferença na vida dos pacientes.

O que é a taxa de mortalidade?

A taxa de mortalidade é um indicador fundamental no cenário da saúde, analisando o número de óbitos ocorridos em um período específico. Essa métrica fornece uma visão abrangente da eficácia dos cuidados de saúde prestados e dos protocolos de tratamento implementados. 

Ao acompanhar a evolução dessa taxa ao longo do tempo, os profissionais de saúde podem identificar tendências preocupantes, como um aumento repentino de óbitos, sinalizando possíveis falhas nos processos assistenciais. 

A taxa de mortalidade é frequentemente calculada em diferentes contextos, como em unidades de terapia intensiva, hospitais ou mesmo em populações inteiras, fornecendo insights cruciais para aprimorar a qualidade da assistência médica.

O que o aumento da taxa de mortalidade pode significar?

A elevação dessa taxa ressalta a importância de uma análise aprofundada para identificar as causas subjacentes e implementar intervenções eficazes. Também, destaca a necessidade urgente de melhorar a segurança do paciente e reduzir os riscos associados aos cuidados de saúde. 

Essa análise crítica e ação proativa são essenciais para garantir a qualidade e a eficácia dos serviços prestados aos pacientes.

Como a melhora nos processos assistenciais impacta na diminuição da taxa de mortalidade

Aprimorar os processos assistenciais desempenha um papel crucial na redução da taxa de mortalidade em instituições de saúde. Ao classificar os pacientes conforme a complexidade da assistência necessária, é possível identificar áreas de melhoria e implementar intervenções eficazes. 

Por exemplo, ao utilizar metodologias como a metodologia DRG, os hospitais podem prever o tempo de internação previsto e as chances de readmissão em tempo real, permitindo uma intervenção mais oportuna e personalizada. 

Isso não só melhora a eficiência da assistência, mas também reduz os riscos de complicações e óbitos associados. 

Ao adotar uma abordagem proativa baseada em dados, as instituições de saúde podem garantir uma transição de cuidados mais segura e eficaz, contribuindo para a diminuição da taxa de mortalidade e proporcionando melhores resultados para os pacientes.

Como o hospital Regional São José dos Campos diminuiu a taxa de mortalidade

O Hospital Regional São José dos Campos alcançou uma significativa redução na taxa de mortalidade ao longo dos anos, graças a melhorias nos processos assistenciais impulsionadas pelos dados gerados pela plataforma Valor Saúde Brasil by DRG Brasil + Inteligência Artificial, único sistema DRG do mundo desenvolvido de acordo com as características da população brasileira.

Esses avanços foram parte da estratégia de Governança Clínica da instituição, implementada com sucesso entre 2018 e 2022.

O Hospital Regional São José dos Campos, situado em São Paulo, destaca-se como um dos melhores hospitais de alta complexidade da região. Sua gestão única, resultado de uma parceria público-privada, combina a administração da estrutura física por um investidor privado com a gestão assistencial por uma organização social.

A análise dos dados da plataforma Valor Saúde Brasil revelou diversas oportunidades de melhoria na Governança Clínica do Hospital Regional São José dos Campos. 

Por exemplo, identificou-se a possibilidade de realizar mais cirurgias ambulatoriais e aderir a protocolos de recuperação rápida para procedimentos cirúrgicos complexos, reduzindo o tempo de internação e os riscos para os pacientes.

Mesmo durante a pandemia de Covid-19, o hospital demonstrou uma melhoria contínua em sua eficiência operacional e na qualidade dos cuidados prestados. 

As especialidades, incluindo Ortopedia, Cardiologia, Neurocirurgia, Cirurgia Cardíaca, Cirurgia Geral e Cirurgia Vascular, registraram uma redução consistente na taxa de mortalidade, tempo de permanência e readmissões.

Esses resultados exemplificam como a implementação da plataforma Valor Saúde Brasil powered by DRG Brasil + Inteligência Artificial fortaleceu a Governança Clínica do Hospital Regional São José dos Campos, garantindo uma assistência de alta qualidade e contribuindo para a redução da taxa de mortalidade e o bem-estar dos pacientes. 

Confira o case completo

Como o hospital Márcio Cunha também conseguiu a diminuir a taxa de mortalidade

O Hospital Márcio Cunha, localizado em Ipatinga, Minas Gerais, alcançou significativos avanços na redução da taxa de mortalidade, fortalecendo ainda mais sua posição como referência nacional em cuidados de saúde. 

Utilizando a plataforma Valor Saúde Brasil by DRG Brasil + Inteligência Artificial, a instituição implementou medidas que resultaram em melhorias concretas, especialmente no protocolo de sepse, entre janeiro de 2019 e julho de 2022.

Parte integrante da Fundação São Francisco Xavier (FSFX), o Hospital Márcio Cunha, inaugurado em 2004, destaca-se como o 21º melhor hospital do Brasil e o 5º em Minas Gerais. 

A FSFX, reconhecida pelo Ministério da Previdência e Assistência Social, tem uma trajetória de excelência em assistência social, saúde e educação, tornando-se uma referência regional e nacional ao longo de mais de cinco décadas.

O Hospital Márcio Cunha adotou a plataforma Valor Saúde Brasil em sua abordagem de cuidado à sepse, seguindo um processo estruturado que envolveu diversas etapas. 

A partir de abril de 2015, a instituição passou a classificar os pacientes com sepse conforme a metodologia DRG, permitindo uma compreensão mais profunda dos perfis de cuidado e dos recursos necessários para o tratamento.

Ao longo dos anos, a implementação do DRG avançou para outras unidades da fundação, como o Hospital Municipal de Cubatão, o Hospital Municipal Carlos Chagas e a Rede Credenciada Usisaúde, direcionando os casos de acordo com padrões similares. 

A equipe do DRG, composta por enfermeiros especializados, desempenha um papel fundamental na análise e aplicação dos dados, fornecendo insights valiosos para a tomada de decisões.

Protocolo de Sepse e resultados alcançados

O Hospital Márcio Cunha estabeleceu um sólido protocolo de sepse, iniciado em 2012 e aprimorado ao longo dos anos. 

Diversas medidas foram adotadas, incluindo a disponibilização de lembretes nos computadores das áreas assistenciais, treinamentos regulares para a equipe e o uso de inteligência artificial para sinalizar possíveis critérios de sepse.

A mensuração regular da adesão ao protocolo e a eficácia das ações garantem uma abordagem contínua de melhoria, refletindo o compromisso da instituição com a segurança e qualidade do cuidado.

Graças às iniciativas implementadas, o Hospital Márcio Cunha registrou uma redução significativa de 26% na taxa de mortalidade entre janeiro de 2019 e julho de 2022. Além disso, a eficiência no uso do leito gerou uma economia de R$ 2.3 milhões nesse período, permitindo investimentos adicionais em áreas essenciais de atendimento. Confira o case completo.

Todos esses resultados dos hospitais mencionados só puderam ser alcançados com a plataforma Valor Saúde Brasil by DRG Brasil + Inteligência Artificial. Se você quiser saber mais sobre a ferramenta, fale com um dos nossos especialistas!


Imagem de capa: Jacob Wackerhausen by iStock

Posts Relacionados

Tempo de espera do paciente: como diminuir

Modelo Assistencial
23 de maio de 2024
leia agora

Como aumentar a produtividade de equipes assistenciais em hospitais?

Modelo Assistencial
16 de maio de 2024
leia agora

Hospital Santo Antônio usa DRG Brasil para melhorar atendimento nas linhas de cuidado de pacientes com asma e sepse

Modelo Assistencial
3 de maio de 2024
leia agora
QMS Certification

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.


(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital