Modelo Assistencial

Saúde pública: 34 anos de SUS no Brasil

DRG Brasil
Postado em 15 de setembro de 2022 - Atualizado em 28 de setembro de 2023

O Sistema Único de Saúde, conhecido como SUS, representa uma das maiores conquistas da população brasileira em toda a sua história. Com mais de 30 anos, ele vem garantindo o acesso integral à saúde para milhões de brasileiros.

Desde então, o SUS vem passando por diversas transformações, aprimorando os mecanismos de melhoria da qualidade da assistência. Por esse motivo, é alvo de destaque mundial, visto que nenhum programa de saúde pública é tão arrojado quanto o brasileiro. Quer saber mais sobre o tema e por que o SUS faz 34 anos no dia 19 de setembro? Acompanhe!

Breve histórico do sistema de saúde brasileiro

A proposta de um sistema único de saúde foi criada pela Constituição do Brasil de 1988. Conhecida como Constituição Cidadã, ela buscou garantir mais direitos à população, tendo o desenvolvimento social como valor, princípio e objetivo.

Com isso, o direito à saúde ganhou um papel prioritário:

Art. 196 — A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

A própria Constituição estabelece que esse direito deverá ser garantido por um sistema único de saúde, que integraria todos os serviços públicos de saúde de forma regionalizada e hierarquizada. 

Também ficou estabelecido que esse sistema deveria ser financiado pelos municípios, pelos Estados da Federação e pela União. A sua organização também seria estabelecida por esses entes conforme regulamentações e legislações específicas.

Dois anos depois, em uma quarta-feira, 19 de setembro de 1990, os objetivos constitucionais para a saúde pública foram concretizados pela Lei Federal n.º 8.080. Assim, foi criado o Sistema Único de Saúde (com letra maiúscula agora) e a sua organização funcional. Antes do SUS, a assistência pública à saúde era fornecida pelo Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social (Inamps). Seu acesso era restrito apenas às pessoas que contribuíam com a previdência social e podiam receber assistência médica.

Os objetivos do SUS na lei pela Lei Federal n.º 8.080

 Veja alguns dos serviços realizados do SUS:

  1. A identificação e a publicação de fatores determinantes e condicionantes da saúde humana;
  2. A formulação da política de saúde;
  3. Atendimento à população por meio de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização integrada de ações assistenciais e preventivas;
  4. Saneamento e vigilância sanitária;
  5. Vigilância epidemiológica;
  6. Segurança e saúde ocupacional;
  7. Assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica;
  8. Organização da formação de recursos humanos em saúde;
  9. Vigilância e orientação nutricional;
  10. Colaboração com a proteção do meio ambiente, incluindo o ambiente de trabalho;
  11. Formulação de políticas relativas a medicamentos, equipamentos, imunobiológicos e outros recursos de interesse para a saúde humana, e participação em sua produção;
  12. O controle e a fiscalização de serviços, produtos e substâncias de interesse para a saúde humana;
  13. A fiscalização de alimentos, água e bebidas para consumo humano;
  14. A participação no controle e a fiscalização da produção, transporte, segurança e utilização de substâncias e produtos radioativos, tóxicos e psicoativos;
  15. Desenvolvimentos científicos e tecnológicos na sua área de atuação;
  16. A formulação e execução da política nacional de sangue e seus derivados.

SUS: referência de acesso e equidade na saúde

Entenda por que o Sistema Único de Saúde é destaque em acessibilidade e equidade.

Acessibilidade

Não é nenhum exagero dizer que o SUS apresenta uma cobertura integral de 100% da população brasileira. Por esse motivo, é o maior sistema de saúde público do mundo em diversos critérios:

●  acessibilidade, medida pelo número de beneficiários/usuários em relação à população total. Praticamente 100% da população brasileira já utilizou algum serviço assistencial do SUS;

●       cobertura territorial (8,5 milhões de metros quadradas);

●    número de centros de tratamento (mais de 50.000 clínicas, hospitais, laboratórios e instituições de saúde).

Além disso, destaca-se por apresentar o maior programa de atenção primária, com mais de 44 mil unidades básicas de saúde em todo o Brasil. Destaque internacional, o SUS é totalmente gratuito em qualquer ponto de atendimento para qualquer pessoa, inclusive estrangeiros.

Com o SUS, foi implementado o acesso universal para qualquer pessoa em território nacional, brasileiro ou não. Assim, 100% dos residentes e visitantes do Brasil têm a segurança de acesso a um serviço de saúde gratuito.

Mesmo que não saibam, todos os brasileiros usam os serviços do SUS, pois, além do braço assistencial, ele é responsável:

●       pelo Programa Nacional de Vacinação, que realiza a vigilância e a prevenção de doenças infecciosas, que ganhou destaque com a Covid-19;

●  pela ANVISA, que fiscaliza a produção e a distribuição de alimentos, medicamentos e insumos relevantes para a saúde humana, além de regular e fiscalizar os serviços de saúde privada;

●     pela ANS, que estabelece a política de preços e a cobertura obrigatória de procedimentos em planos de saúde, entre outras ações.

Equidade

O Direito ao Acesso é igual a todos os brasileiros, concretizando os princípios da igualdade formal e da universalidade previstos na Constituição. No entanto, o SUS vai um passo além e garante a equidade, a igualdade material.

Portanto, apesar de a carteira de serviços ser a mesma para toda a população, a distribuição do orçamento do SUS é variável. Ela considera não apenas critérios como o número de usuários, mas também as características desses usuários e do território a que eles estão vinculados.

Afinal, as desigualdades regionais e sociais podem comprometer a real igualdade entre as pessoas. Assim, áreas com piores indicadores de saúde receberão maiores investimentos em relação a outras.

Isso parte do princípio constitucional de que o Estado brasileiro deve tratar os desiguais[4] ”, concentrando maiores esforços em áreas com os piores índices e déficits na prestação de serviços públicos.

Para garantir a equidade, o SUS é organizado com os seguintes princípios:

●       descentralização — os processos de tomada de decisão e as políticas públicas são, cada vez mais, descentralizadas. Com isso, os Estados e os municípios se tornam os principais gestores diretos dos serviços, ao passo que o Governo Federal é responsável principalmente pelas políticas gerais de saúde e por repasses orçamentários da União;

●       participação social — o SUS apresenta mecanismos de formulação, controle e fiscalização popular. Ela é exercida sobretudo pelos conselhos de saúde, que são tripartites, contando com a representação da população geral, do governo e dos profissionais de saúde (⅓ de membros cada);

●       lógica centrada em redes — atualmente, a política de saúde do SUS é centrada nas redes de atenção à saúde, como a de atenção primária e a Rede de Atenção às Urgências e Emergências (RUE). Cada uma delas apresenta orçamentos e metas de saúde específicas com indicadores de monitoramento. À medida que os serviços atingem os objetivos desejados, eles ganham um bônus na destinação orçamentária. 

Reconhecimento no combate à Covid-19 e desafios do SUS

Durante a pandemia de Covid-19, ficaram evidentes a importância e o protagonismo do SUS para a saúde da população brasileira. Graças à estruturação do Programa Nacional de Imunização, que foi desenvolvida ao longo dos anos, conseguimos a aderência de grande parte da população brasileira à vacinação.

O principal desafio do SUS é a otimização da gestão e a modernização da rede. Afinal, a tecnologia otimiza o uso dos recursos, aumentando a eficiência do sistema de saúde.

Por exemplo, a metodologia DRG prevê o uso da inteligência artificial para melhorar resultados assistenciais com redução no desperdício e otimização da experiência do paciente. Ela é baseada em uma gestão de risco 4P:

●       Predição;

●       Personalização;

●       Prevenção;

●       Participação.     

Isto é, a metodologia DRG se adequa perfeitamente aos objetivos constitucionais do SUS, como:

●    “cuidado integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais”;

●   “redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”;

●       “participação da comunidade”.

Portanto, com a transformação digital da saúde, há diversas ferramentas inteligentes que permitem o monitoramento de indicadores em tempo real para guiar o processo decisório das políticas públicas e da gestão. Assim, é possível aprofundar a equidade dos serviços no Sistema Único de Saúde — um gigante que festeja seus 34 anos em 19 de setembro de 2022.

Quer saber mais sobre como a metodologia DRG pode ser aplicada ao SUS? Entenda a experiência de Minas Gerais com a Parceria QualiSUS , que foi destaque na imprensa mineira!


Créditos/Imagens

Imagem de capa

Imagem de maio do conteúdo

Posts Relacionados

Operadoras de planos de saúde: um guia para a eficiência

Modelo Assistencial
18 de abril de 2024
leia agora

Hospital Nossa Senhora das Graças reduz permanência média em 1 dia com DRG Brasil

Modelo Assistencial
11 de abril de 2024
leia agora

Notificação de eventos adversos: um guia para hospitais

Modelo Assistencial
28 de março de 2024
leia agora
QMS Certification

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.


(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital