Modelo Assistencial

Medicina preditiva: como e por que implementar na saúde?

DRG Brasil
Postado em 20 de abril de 2021 - Atualizado em 28 de setembro de 2023

Ao longo de um tratamento de saúde, uma única escolha é capaz de mudar o destino do paciente. Dessa forma, é fundamental que ela seja baseada em ciência, confiança, em realidade e agilidade. É a precisão na decisão e o tempo certo que garantem desfechos clínicos mais favoráveis.

Diante disso, a medicina preditiva tem se destacado. Ao contar com evoluções tecnológicas, se apoiando em informações personalizadas, é possível entregar soluções confiáveis, chegando, em alguns casos, a estimular intervenções antecipadas, de modo a evitar problemas sérios no futuro. Um caso que ficou conhecido foi o da atriz Angelina Jolie: ao descobrir 85% de probabilidade de um câncer de mama, decidiu pela mastectomia.

Com a predição e a atuação precoce, as vantagens são diversas e todos saem ganhando — paciente, familiares, hospital, governo e operadoras de planos de saúde. A seguir, explicamos o impacto da medicina preditiva na saúde e como ela contribui para mais saúde baseada em valor!

Quais as diferenças entre medicina curativa, preventiva e preditiva?

Medicina curativa, preventiva e preditiva: todas são importantes e necessárias. No entanto, cada uma age de forma diferente.

Medicina curativa

A medicina mais tradicional de todas tem como foco o alívio de sintomas e o tratamento de uma doença. Entra em ação somente depois que a condição já se instalou e está prejudicando o bem-estar do indivíduo. Tem como base as queixas do paciente, além das observações clínicas.

Dependendo do estágio da patologia, o prognóstico é pouco favorável e há necessidade de intervenções mais invasivas. O tratamento tende a ser mais dispendioso e levar a procedimentos desnecessários.

Medicina preventiva

As pesquisas da ciência e o conhecimento mais profundo da medicina curativa permitiram uma mudança na atuação. Os estudos dos vírus, por exemplo, levaram ao desenvolvimento de vacinas. A modernização de equipamentos possibilitou a realização de exames de checkup. Descobriu-se que adotar hábitos saudáveis aumentava a expectativa de vida.

Aos poucos, a medicina preventiva ganhou relevância. Um paciente que apresentava níveis crescentes nos resultados de exames de glicemia, por exemplo, já podia ser orientado a mudar a dieta e adotar exercícios físicos como forma de prevenir o desenvolvimento de Diabetes.

A medicina preventiva faz parte da metodologia "4P' (preventiva, preditiva, personalizada e participativa), uma abordagem que constrói um cuidado centrado no paciente e integrado por uma comunicação compartilhada, que muda radicalmente a maneira como gerenciamos a assistência e praticamos a medicina.

Medicina preditiva

Mais atual ainda e com mais tecnologias modernas, a medicina preditiva é o foco da vez. Ela não desconsidera seus precedentes. Pelo contrário, atua junto deles. Afinal, depois de fazer a predição, a medicina preventiva precisa entrar em ação, e esta só existe devido à medicina curativa.

A medicina preditiva combina variáveis — como histórico do paciente, genética, condições biológicas, hábitos e estilo de vida — e calcula, por exemplo, a probabilidade de o paciente desenvolver determinadas doenças e o risco de ele sofrer alguma complicação no cuidado hospitalar.

Faz mensurações, cálculos matemáticos e utiliza dados, antecipando diagnósticos e informações. Assim, permite criar indicadores de saúde personalizados, que facilitam as decisões no momento certo, com intervenções antecipadas. Toda essa inteligência de dados e algoritmos entrega um tratamento ainda mais centrado no paciente.

A medicina preditiva, no entanto, também traz discussões éticas. Por exemplo: na descoberta de o paciente ter grandes chances de desenvolver uma doença incurável, cabe ao médico avisar, ainda, que não exista nada para evitar o surgimento? A reflexão se faz necessária.

Como a medicina preditiva pode mudar o futuro da área da saúde?

dna hélice medicina preditiva

A predição é uma das principais tendências na Medicina moderna. Inclusive, faz parte do conceito de gestão de riscos 4Ps, que envolve prevenção (evita desfechos desfavoráveis), personalização (usa dados dos próprios pacientes) e participação (estimula a atuação da família e de uma equipe multidisciplinar).

Com uma atuação focada na predição, espera-se:

  • aumento da medicina de precisão: ela individualiza o paciente, levando em conta características pessoais. Diagnósticos e tratamentos são mais personalizados e antecipados;
  • mais qualidade na atuação médica: já que melhora a segurança do paciente e diminui as chances de eventos adversos;
  • anulação na instalação de doenças: a partir de mais proatividade e diagnósticos precoces;
  • melhoria da saúde pública: ao evitar tratamentos invasivos e diminuir a quantidade de cirurgias, há otimização no uso dos recursos e dos repasses;
  • melhor experiência do paciente: o tratamento é baseado em estudos da ciência, que utiliza dados universais, mas é a predição que permite ações mais centradas no paciente;
  • redução nos custos de saúde e na sinistralidade: já que é mais simples e econômico optar por intervenções preventivas do que realizar tratamentos prolongados;
  • crescimento da ciência: ela pode contar com dados mais ricos, ganhando mais base para realizar pesquisas e fazer outras descobertas;
  • entrega de mais qualidade de vida à população: por exemplo, um dispositivo inteligente pode acompanhar a pessoa em tempo real, analisando características psicológicas, orgânicas e estilo de vida. A partir disso, calcula a probabilidade no desenvolvimento de um transtorno e, então, ajuda o paciente a se prevenir.

Como implementar a medicina preditiva usando a plataforma de valor em saúde DRG Brasil?

A medicina preditiva utiliza a inteligência artificial para coletar dados, transformá-los em informações, analisar características e criticidades do paciente, predizer desfechos e sugerir ações antecipadas.

O DRG Brasil é uma plataforma de governança clínica que reúne funcionalidades de predição, previsão e personalização. Assim, facilita a atuação profissional, ajuda a aumentar a qualidade assistencial e entrega mais saúde baseada em valor.

Na prática, pode-se, por exemplo, analisar informações dos pacientes internados, detectar os pertencentes a grupos de riscos e calcular a probabilidade no surgimento de problemas sérios. Sabendo das informações, a equipe médica toma decisões para mudar o prognóstico, tornando o desfecho mais positivo.

O aplicativo DRG Brasil Inteligência Artificial trabalha a medicina preditiva porque emite alerta para presença do risco antes que o evento ocorra. A tecnologia faz a identificação de riscos individuais de desenvolvimento de eventos adversos (infecção relacionada à assistência, eventos adversos não-infecciosos, reinternações e óbito) com base no perfil da pessoa no momento em que é admitida no hospital. Essa predição pode, ainda, ser modificada à medida que se identificam novos riscos, em tempo real.

Outro exemplo de atuação da plataforma é na otimização de recursos, como leitos e ventiladores. A predição e a prevenção permitem cálculos matemáticos, a fim de evitar uma situação de colapso em cenários de pandemia. Neste podcast, você confere a explicação do Dr. Renato Couto sobre o assunto.

Em suma, a medicina preditiva contribui para a modernização e a humanização da saúde, a partir de ações centradas no paciente e alinhadas à realidade do negócio. O conhecimento proporcionado pela inteligência artificial é essencial para melhorar desfechos clínicos e a qualidade de vida das pessoas.

Conheça a plataforma de valor em saúde do DRG Brasil, e conte com uma tecnologia adequada para entregar mais saúde baseada em valor!


Créditos/Imagens:

Posts Relacionados

Como aumentar a produtividade de equipes assistenciais em hospitais?

Modelo Assistencial
16 de maio de 2024
leia agora

Hospital Santo Antônio usa DRG Brasil para melhorar atendimento nas linhas de cuidado de pacientes com asma e sepse

Modelo Assistencial
3 de maio de 2024
leia agora

Codificação clínica: o que é e qual a real importância?

Modelo Assistencial
3 de maio de 2024
leia agora
QMS Certification

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.


(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital