Modelo Assistencial

5 dicas para melhorar a eficiência do uso do leito hospitalar

DRG Brasil
Postado em 2 de setembro de 2020 - Atualizado em 23 de fevereiro de 2021

A taxa de ocupação hospitalar é um indicador que demonstra qual a relação entre o total de leitos ocupados pela quantidade de disponíveis em um período predeterminado. Seu resultado é fator crítico da sustentabilidade hospitalar e tem relação com o gerenciamento de leitos.

O índice será um percentual. Se ficar acima de 100%, mostra que o hospital depende continuamente de leitos extras. Portanto, é necessário ampliar as opções disponíveis ou otimizar o uso dos leitos existentes por meio da redução da permanência dos pacientes. Caso fique abaixo disso, sinaliza que a instituição tem uma estrutura necessária para a demanda.

Devido a suas características, a taxa de ocupação hospitalar é essencial na sustentabilidade econômica e está atrelada a um trabalho de redução de desperdícios no sistema de saúde. Ela pode ser medida em última instância pela redução da permanência e pelo aumento da experiência do paciente. Assim, temos as condições perfeitas para a entrega de valor em saúde.

A questão que surge é: como otimizar o gerenciamento de leitos hospitalares e garantir bons resultados? Neste post, vamos trazer algumas dicas para alcançar esse patamar. Veja!

1. Faça um bom planejamento

Todas as ações e as mudanças realizadas no dia a dia do hospital devem ser bem planejadas. O ideal é conhecer a situação atual e avaliar os objetivos e as metas. Além disso, é importante conferir a equipe e os recursos necessários e disponíveis.

Por isso, é necessário atentar aos dados. É importante, por exemplo, avaliar a sazonalidade e a necessidade de atender a uma população diversa ao longo do ano. No primeiro caso, dois bons exemplos são a gripe e a dengue, que aumentam no inverno e no verão, respectivamente. Em ambos os casos, a estrutura necessária é diferente.

Considere, ainda, os dados retroativos para analisar o histórico. A partir disso, é possível fazer previsões. Ainda existem modelos que simulam o impacto das mudanças no fluxo do sistema. O importante é usar uma plataforma de gestão de saúde que evite os desperdícios. Assim, o potencial de melhoria da qualidade assistencial é ainda maior.

2. Controle dos indicadores de eficiência do uso do leito

A gestão depende de dados para saber quais decisões tomar. Os indicadores sinalizam o caminho mais seguro a seguir. Afinal, como afirmou o teórico de gerenciamento da qualidade William Edwards Deming, "não se gerencia o que não se mede".

Ao definir objetivos e determinar os indicadores, é possível monitorar os resultados e verificar se eles estão ou não trazendo o retorno esperado. O propósito é ter informações valiosas sobre o desempenho do hospital, da operadora e da equipe médica, e aumentar a entrega de valor.

Em situações de altas taxas de ocupação hospitalar, com “overbook”, e que podem trazer impactos à vida das pessoas por restrição de acesso, o ideal é avaliar os indicadores que aumentam o giro e melhoram a gestão dos leitos. É necessário adequar o tempo de permanência hospitalar àquela adequada ao tratamento seguro. Entre as possibilidades de indicadores estão:

  • taxa de ocupação: mede a média de pacientes internados por dia e a capacidade operacional do hospital;
  • média de permanência: relaciona o total de pacientes internados por dia em determinado período e a quantidade de óbitos, altas ou transferências no mesmo intervalo de tempo;
  • índice de rotatividade: representa o uso do leito hospitalar em determinado período;
  • intervalo de substituição: consiste no tempo médio de desocupação de um leito entre a saída de um paciente e a admissão de outro.

3. Use a tecnologia para melhorar a gestão hospitalar

A tecnologia traz dados precisos para o gestor e ajuda a definir as estratégias mais eficientes. O propósito é entregar resultados assistenciais de qualidade com controle de desperdício e melhoria da experiência do paciente. Assim, é possível entregar um cuidado baseado em valor (ou value-based healthcare, em inglês).

Com uma plataforma de governança clínica, a gestão de saúde é baseada em valor. Os dados assistenciais e econômicos são transformados em informações, o que permite:

  • reduzir os desperdícios do sistema de saúde;
  • ter um modelo remuneratório baseado em valor;
  • controlar a sinistralidade;
  • alcançar a sustentabilidade econômica do sistema de saúde;
  • focar a segurança do paciente;
  • predizer os recursos e os resultados;
  • melhorar o desempenho da organização;
  • avaliar a qualidade do serviço prestado;
  • usar de forma eficiente o leito hospitalar.

Em relação ao uso do leito hospitalar, a plataforma de saúde baseada em valor do DRG Brasil mensura a entrega de valor levando em consideração a complexidade e a criticidade dos pacientes. Dessa maneira, a permanência de internação dos pacientes é adequada ao tempo necessário ao tratamento, fundamentado na maior base de internações avaliadas do Brasil.

4. Organize o fluxo de entrada dos pacientes cirúrgicos eletivos

Uma situação relativamente comum é a de ter muitos pacientes cirúrgicos eletivos em espera pelo procedimento. Como surgem os atendimentos de emergência, aqueles pacientes menos prioritários geralmente precisam aguardar e ocupam um leito de forma desnecessária, aumentando a permanência hospitalar, que deve ser reduzida sobretudo em cenários de altas taxas de ocupação hospitalar.

Um bom gerenciamento dos leitos é fundamental para o funcionamento do hospital. O foco deve ser o maior uso possível sem implicar riscos para os pacientes, sejam eles emergenciais ou cirúrgicos eletivos. Ao efetivar a entrega de valor, esse é o propósito alcançado.

5. Gerencie o tempo em todas as etapas

Essa prática também tem relação com os indicadores, mas inclui especificamente os prazos de cada uma das etapas para desocupar o leito e garantir que ele esteja pronto para o próximo paciente. Avalie:

  • tempo médio de internação;
  • tempo de alta;
  • tempo de liberação do leito para higienização;
  • tempo médio de higienização;
  • composição do leito.

Novamente, todos esses fatores são controlados com a ajuda da tecnologia. Ao fazer isso, o primeiro dos 4 alvos assistenciais é assegurado. A ineficiência do uso do leito hospitalar tem problemas geralmente relacionados a:

  • eventos assistenciais intra-hospitalares adversos;
  • ausência de continuidade no cuidado após a alta e falta de resolutividade da atenção primária e secundária. Com isso, a internação é prolongada;
  • burocracia nas relações entre hospital, médico e operador do sistema de saúde, o que gera lentidão nos processos assistenciais;
  • modelo remuneratório hospitalar e do médico, que deixa de incentivar a produtividade do leito hospitalar;
  • limitações sociais do paciente e sua família;
  • judicialização, que faz do hospital de agudos um centro de cuidados paliativos.

Com essas 5 dicas, o gerenciamento dos leitos hospitalares é otimizado e você tem acesso a dados precisos — basta utilizar a plataforma de gestão em saúde DRG Brasil. Ao fazer isso, a gestão hospitalar se torna mais eficaz e o foco dos cuidados de saúde é o paciente. Assim, é gerada a saúde baseada em valor para os cidadãos brasileiros. Gostou de saber sobre esse indicador e como otimizá-lo? Assine nossa newsletter e receba mais informações no seu e-mail.

Posts Relacionados

Regulação e auditoria em saúde: a importância para a entrega de valor na assistência

Modelo Assistencial
20 de maio de 2022
leia agora

Imprensa mineira destaca Parceria QualificaSUS para atendimento ao Valora Minas

Modelo Assistencial
19 de maio de 2022
leia agora

Figital: saiba como o modelo se aplica à área da saúde

Modelo Assistencial
19 de maio de 2022
leia agora

(31) 3241-6520 | grupoiagsaude@grupoiagsaude.com.br

Creative Commons

Direitos autorais: CC BY-NC-SA
Permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas. Proíbe a edição e o uso comercial. É obrigatória a citação do autor da obra original.

Os Termos de Uso e a Política de Privacidade deste site foram atualizados em 05 de abril de 2021. Acesse:
© ‎Grupo IAG Saúde® e DRG Brasil ® - Todos os direitos são reservados.
Logo Ingage Digital